Projetos de pesquisa

O Brasil vem ocupando atualmente a posição de sexta economia do mundo e tende a atrair cada vez mais estudantes estrangeiros e migrantes. As políticas de educação e de saúde brasileiras passaram na última década a enfatizar cooperações também Sul-Sul e não somente Sul-Norte. Como mundialmente vem aumentando tanto a mobilidade internacional de estudantes como a de profissionais da saúde, é importante melhor compreender as ações institucionais fomentando esta mobilidade. Neste sentido, este estudo pretende estudar as iniciativas para estudantes estrangeiros na Fundação Oswaldo Cruz. A metodologia é qualitativa e será realizada a análise documental. Num primeiro momento, serão analisados os informativos publicados pelo Centro de Relações Internacionais em Saúde (Cris) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), são publicados desde setembro de 2012. Num segundo momento, será mapeado o perfil de estudantes estrangeiros no campus da Fiocruz do Rio de Janeiro em termos de idade, gênero, nacionalidade e também as áreas de conhecimentos que vêm atraindo estes estudantes. O estudo pretende contribuir para o conhecimento na área e propiciar recomendações interessantes para os atuais alunos estrangeiros, para a instituição como um todo e para programas de pós-graduação que trazem estudantes de outros países para o Brasil..

Coordenador:

Isabela Cabral Félix de Sousa

Este projeto visa refletir sobre a formação em Gestão em Saúde, buscando realizar, inicialmente, um mapeamento dessa formação no Brasil. Posteriormente, se voltará a analisar as concepções de gestão presentes em cursos selecionados e a sua correspondência com os princípios e diretrizes do SUS e de Sistemas Nacionais de Saúde.

Coordenador:

Maria Luiza Silva Cunha

No estágio atual consideramos relevante identificar e melhor compreender como os aspectos emocionais se expressam nas práticas da orientação acadêmica profissional. Este projeto propõe uma revisão de investigações anteriores com alunos e egressos do Provoc. São três estudos a serem revisitados em relação a este público. Estes estudos mencionados, a semelhança do que ocorre em outras pesquisas em educação, deram ênfase aos aspectos cognitivos. No entanto, sabemos que a emoção faz parte das trajetórias de alunos e egressos. Assim, argumentamos que é preciso trazer à luz esta dimensão, articulando-a com o tema da formação científica. Considerando que os adolescentes vivenciam momentos de transição e busca de identidades, o caso do Programa de Vocação Científica (Provoc) nos parece particularmente promissor para explorar a emoção no processo formativo. Os três estudos que propomos revisitar utilizaram a metodologia qualitativa/naturalista, inspirada pela Antropologia e pela Sociologia, aplicando a técnica de análise de conteúdo em entrevistas com atores sociais. Nosso universo é constituído de um conjunto de 69 entrevistas individuais, semiestruturadas. Propomos manter a análise de conteúdo desta vez recorrendo ao suporte do software Atlas. TI. Assim, debruçando-se sobre os projetos desenvolvidos em sete anos de pesquisa e atuando no Provoc esta proposta tem como meta do ponto de vista pedagógico, propor inovações para este programa e congêneres. E do ponto de vista científico, pretende-se analisar os relatos sobre os processos formativos tentando identificar emoções e se estas constituem ou não em eixos norteadores para as escolhas acadêmicas e profissionais de seus alunos e egressos.

Coordenador:

Isabela Cabral Félix de Sousa

No estágio atual consideramos relevante identificar e melhor compreender como os aspectos emocionais se expressam nas práticas da orientação acadêmica profissional. Este projeto propõe uma revisão de investigações anteriores com orientadores do Provoc. São três estudos a serem revisitados em relação a este público. Estes estudos mencionados, a semelhança do que ocorre em outras pesquisas em educação, deram ênfase aos aspectos cognitivos. Assim, argumentamos que é preciso trazer à luz esta dimensão, articulando-a com o tema da formação científica. Sabendo que a emoção faz parte das trajetórias dos atores sociais envolvidos, propomos que este projeto investigue a dimensão da emoção dos orientadores integrando ao estudo sobre a emoção de alunos e egressos, também a ser desenvolvido no mesmo Laboratório de Iniciação Científica da Educação Básica (Lic-Provoc). Considerando que os adolescentes vivenciam momentos de transição e busca de identidades, o caso do Programa de Vocação Científica (Provoc) nos parece particularmente promissor para explorar a emoção no processo formativo. Os três estudos que propomos revisitar utilizaram a metodologia qualitativa/naturalista, inspirada pela Antropologia e pela Sociologia, aplicando a técnica de análise de conteúdo em entrevistas com atores sociais. Nosso universo é constituído de um conjunto de 43 entrevistas individuais, semiestruturadas. Propomos manter a análise de conteúdo desta vez recorrendo ao suporte do software Atlas. TI. Assim, debruçando-se sobre os projetos desenvolvidos em sete anos de pesquisa e atuando no Provoc esta proposta tem como meta do ponto de vista pedagógico, propor inovações para este programa e congêneres. E do ponto de vista científico, pretende-se analisar os relatos dos orientadores sobre os processos formativos tentando identificar emoções e se estas constituem ou não em eixos norteadores para as escolhas acadêmicas e profissionais de seus orientandos.

Coordenador:

Isabela Cabral Felix de Sousa

A pesquisa visa analisar o modo como o Hospício de Pedro II, também conhecido como Hospital Nacional de Alienados (HNA), a primeira instituição asilar especialmente voltada para alienados no país, constituiu-se como centro nacional de circulação, produção e difusão de conhecimentos científicos e de práticas assistenciais relativas à medicina mental no Brasil, a partir do qual se definiram grupos patológicos em sua população e produziu-se um imaginário social sobre a loucura . Durante um século, a instituição foi solo para diferentes atores sociais que dialogaram, debateram e disputaram teorias e nosologias diversas para as moléstias mentais e suas terapêuticas.
O recorte temporal escolhido tem como marco inicial o decreto de criação do hospício, em 18 de julho de 1841 (Brasil, Decreto n° 82). O fim do período a ser investigado é o ano de 1944, quando o Decreto-lei nº 7.055, de 18 de novembro, cria o Centro Psiquiátrico Nacional (CPN), extinguindo definitivamente o antigo hospício.
Cumpre destacar que a consulta a novas fontes primárias traz para este projeto de pesquisa, sediado no DEPES/COC/Fiocruz, uma articulação importante entre o desenvolvimento de investigações históricas e a preservação de acervos documentais do antigo Hospício, que se encontram sob a guarda de quatro de suas instituições herdeiras: o Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPUB-UFRJ); o Instituto Municipal de Assistência à Saúde Nise da Silveira (IMASNS–SMS-RJ), o Instituto Municipal de Assistência à Saúde Juliano Moreira (IMASJM–SMS-RJ) e o Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico Heitor Carrilho (SDM/HCTPHC).

Coordenador:

CRISTIANA FACCHINETTI

Nosso objetivo é construir um panorama de objetos de investigação, perspectivas teóricas e abordagens empíricas da pesquisa educacional, considerando as pesquisas desenvolvidas em programas de pós-graduação stricto sensu, por ser a instituição que expressa atualmente a pesquisa educacional e pela dimensão formativa que lhe é própria. Metodologicamente, realizamos análise exploratória do estado atual da pesquisa educacional brasileira, considerando os dois últimos ciclos de avaliação da pós-graduação da CAPES: de 2010 a 2012, de 2013 a 2016. Trata-se de pesquisa documental e bibliográfica, com perspectiva mais descritiva que analítica. Para a caracterização dos programas e do conhecimento aí produzido, serão considerados documentos institucionais de avaliação divulgados pela Capes e, como unidade de referência para a caracterização de pesquisas, parte de publicações de docentes permanentes de cada programa, especificamente as produções publicadas em periódicos de alta qualificação, no período anteriormente indicado.

Coordenador:

Siomara Borba, Professora Adjunta UERJ

Temos explorado a hipótese de que reformas contemporâneas da educação básica brasileira expressam interesses e modo de ação de monopólios brasileiros, agentes centrais da ascensão imperialista do capitalismo nacional. A publicação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que pretende alcançar toda a educação básica nacional - pública e privada - é parte desse interesse. A investigação específica que fundamenta a exploração de nossa hipótese iniciou com a coleção de posições oficiais sobre a BNCC, em 2015, e busca identificar instrumentos teóricos e metodológicos para a análise na contribuição de Lênin sobre o capitalismo, em sua fase contemporânea - Imperialismo, fase superior do capitalismo.

Coordenador:

Rosa Maria Corrêa das Neves

Exploramos instrumentos teórico-metodológicos nas contribuições de Marx e de Engels e de Lênin para aprofundar as teses de que (i) a história comporta dimensões objetivas e subjetivas; (ii) o desenvolvimento do capitalismo se realiza necessariamente de modo desigual entre frações burguesas no seio das próprias classes dominantes e ao fim, entre países e também de que (iii) o desenvolvimento desigual do capitalismo, na sua fase imperialista, é dinamizada pela luta entre potências dominadas por monopólios.
Supomos que essas teses podem subsidiar uma formulação teórica geral para análise de relações entre desenvolvimento do capitalismo, de ciências, da escolarização e da educação científica, no Brasil.

Coordenador:

Rosa Maria Corrêa das Neves